sexta-feira, 25 de novembro de 2016

MOMENTOS FELIZES!





FECHANDO PARA BALANÇO

Estamos finalizando mais um ano para a Gloria de Deus. Nada melhor do que olhar para trás e ver as mudanças ocorridas, alvos alcançados, obstáculos superados e acima de tudo, ter a capacidade de continuar lutando para realizar novos sonhos.
Como um todo, temos tidos anos difíceis financeiramente falando (escrevendo, claro), mas como sempre digo aos meus companheiros e companheiras que tem somado ao meu lado: "Vivemos de milagres!", e de milagres entendemos.
O que Deus tem feito através da Igreja em Bom Descanso, zona rural do município de Alpinopolis, onde estamos a construir um lindo templo para mais de duzentas pessoas; Bom Jesus da Penha, que após  passar por momentos difíceis, tem se tornado um trabalho vibrante ja projetando a ampliação do seu templo; Jardim Italia (Passos) onde temos visto o milagre de Deus através dos esforço e dedicação dos que ali congregam na construção de seu lindo templo; reforma da nossa Sede Estadual, onde temos visto as mãos poderosas de Deus em abençoar; alem dos batismos nas aguas feitas pelas regionais durante o ano, dos novos congregados que advindos de outras denominações, tem nos procurado desejosos de somar na realização de uma Grande Obra.
Nao poderia deixar de enfatizar nossa juventude que tem se despertado para evangelização nos lares e escolas; obreiros que se empenham nos cultos dos lares, nas reformas ou construções de templos.
Congressos abençoados, reuniões ministeriais disputadas, participações nas nossas convencionais do Estado, etc. Tudo milagres, que eleva nossos corações agradecidos a Deus por nos proporcionar dias, meses e anos a seu Serviço.
Sonhos? Sao muitos!
O Novo Ano esta por vir, e, se o Eterno permitir, veremos os templos em construções inaugurados, outros sendo iniciados, e vidas, muitas vidas se rendendo aos pés de Nosso Senhor Jesus Cristo.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Cá, com meus botões.

Inspiration - Pedro Adolfo.

Nada melhor do que se auto-avaliar para dar firmeza ou mudar o rumo de coisas que farão parte de sua história. 
Pensando assim me deparo, em virtude de minhas funções, com excesso de verborragia desnecessários proferidos por mim em algumas ocasiões.
Negócio complicado quando mesmo em silêncio temos que emitir  consentimento em determinadas conversações que, dependendo da ocasião, um arroto é subentendido como resposta.
Nossas palavras se revestem de crenças a determinadas pessoas e grupos, sendo esta uma preocupação sagrada pela qual devemos ser extremamente cautelosos, mas não medrosos, pois os que nos cercam sempre requererá de nós uma posição.
Jesus em sua encarnação, revelou-se como receptáculo de todas as promessas feitas pelo Pai, fazendo de suas convicções de Filho no enunciado de suas verdades. Somos aconselhados a crer na Palavra, tomar posse da Palavra, termos cuidado com o uso da palavra, fazermos uso da autoridade da Palavra, não usarmos de repetições da Palavra etc.
Mas quem não sentiu-se bem após uma pregação por perceber a coerência, leveza, aceitação, reflexão, empatia e carisma com as pessoas? Por outro lado, frustração, decepção, tristeza, cansaço por não ter se realizado com o público? Muitos.
Jesus por ser um Mestre, soube como nunca usar Palavras direcionadas ao público que ele conhecia pelos "pensamentos dos corações". Falhamos, as vezes, por não darmos as pessoas as respostas que elas esperam, estamos mais preocupados com o "nosso fã" público do que com suas reais necessidades. 
Jesus falava não olhando roupas, rostos e posições, mas sim, corações. São os nossos corações (sentimentos) que revelam a natureza de nossas necessidades. O sábio já dizia, que: "Um coração alegre aformoseia o rosto". Como despenseiros temos que ter cuidado não só com o que armazenamos, mas também como distribuímos. Palavras são como setas lançadas que não retornam mais de onde foram atiradas; resta-nos a fazer a oração de Moisés (Salmo 90): Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábio. Shalom!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

FIM DE FESTA

Foi marcante os momentos que passamos diante de Deus no sétimo congresso de jovens das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus do Ministério de Madureira do Campo de Passos - MG, realizado nos dias: 14,15 e 16 de Julho - 2016.
Foram três dias de louvor, adoração e palavra, que Palavra. Pastores Nivaldo Nedis e Diogo Siqueira, trouxeram da parte de Deus conselhos inspirados, que encheram nossos corações de alegrias e edificações.
A grande surpresa foi apresentação da banda da nossa regional de Nova Resende, que pela primeira vez, estiveram conosco, sendo ela a primeira do nosso Campo.
Rememoro as palavras abençoadas que nos presentearam os preletores, sendo que; a enfase na espiritualidade cristã, conservadorismo doutrinário e acima de tudo no caráter cristão, são de suma importância para nosso crescimento espiritual e identificação com a pessoa e obra de Cristo.
Este ano nos voltamos inteiramente para os nossos jovens, adolescentes e crianças do Campo. Estamos vivendo dias perigosos em todas as áreas da nossa vida terrena e cristã.
A perseguição aos irmãos de fé tem aumentado no mundo, sei que não foi diferente em outras eras, mas, nos últimos tempos, dado a velocidade de informações e mídias, tem estado presente nos nossos olhos e mentes.
Estamos assim preocupados com a presente geração, pois diferentes dos nossos dias e pais na fé, a absorção de informações que deturpam o caráter cristão e mau testemunhos dos que se dizem cristãos que circulam o mundo pelas mídias, faz com que haja uma geração frágil, dividida e desestruturada para os dias difíceis por vir.
A volta para o "Caminho da Retidão" - Pv 2:13, conforme somos aconselhados a seguir, deve ser o meio pelo qual devamos andar para não ser "devorados" pelas aves. Mt 13:4
Que Deus continue nos renovando e remoçando nossas vidas e pensamentos, para trazer aos mais novos a experiência de vida que temos, para continuidade da Grande Comissão que nos foi entregue um dia pelos nossos pais na fé.
Em tempos de olimpíadas em nosso pais, me faz lembrar de um dos esportes que acontecerá, quando os corredores sairão em desabaladas carreiras, afim de alcançar um companheiro que o espera mais a frente.
O apóstolo Paulo nos aconselha:  Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. I Co 9:24,26
Portanto, vamos a luta! A Vitória sempre será nossa em Nome de Jesus!

quinta-feira, 5 de maio de 2016

A soberania da Graça.

Pela ênfase dos últimos tempos sobre a necessidade de um retorno a uma fé reformada, estamos a ver debates acalorados sobre a doutrina da Eleição.
Calvinistas e Arminianistas se digladiando sobre quem empunha o Evangelho dos tempos primitivos, realçando algo que ha muito estava "superado" entre os que defendem ou não os conceitos esposados pelos dois expoentes denominados.
Esta polêmica mais serve para dividir do que somar o Corpo de Cristo, agora, sabemos que os defensores se preocupam não com a originalidade e sim em conquistar adeptos para suas argumentações.
Vivemos tempos fecundos em relação a informação que esta ao alcance de todos, bastando para isso um celular e um computador, que conectado a Internet, estaremos visualizando milhares de opiniões sobre a doutrina da eleição.
Por mais discussões que temos, as tais não tem elevado a importância do amor de Deus para salvação   das pessoas, ficando os debatedores presos ao conceito da segregação ou liberalização.
Doutrinas sao importantes para definição de nossa fé, mas acima de todas as coisas esta a vontade de Deus para a salvação das pessoas.
Não estou interessado em coisas que somente ocupa o coração divino, meus pensamentos estão  voltado para suas ordenanças de fazer notório ao mundo sobre seu Projeto de Salvação, Cristo.
Se todos (como dizia Calvino) ja nascem (pre) determinado para salvação ou perdição ou se podemos a qualquer tempo decidir (livre-arbítrio) salvar-se ou perder-se, não devem ser motivos de discussões "eternas". O que devem nos unir, e sabermos que não podíamos pelos nossos méritos e justiças sermos salvos, mas Deus nos amou (Jo 3:16) e se tabernaculou para nos trazer eterna salvação através de seu sacrifício.

Teologia Sistemática - Wayne Grudem (ponderações)

Página 11 - Acredito que as razões de algumas doutrinas não serem amplamente debatidas nas epístolas, deve-se ao fato da aceitação natural e comum por parte dos apóstolos e pais da Igreja.
Doutrina da Triunidade: A teologia tanto do Antigo como do Novo Testamento, traz distinção entre as pessoas da divindade, não sendo alvo de discussão a não ser quando os judeus direcionavam sua adoração a outras "divindidades", recebendo de Deus a solene advertência que Ele, O Senhor era o Único.
Doutrina do batismo com Espírito Santo: A manifestação do Espírito por meio de dons e revelações são comuns tanto no Novo como no Antigo Testamento, não se discute. Quanto ao fato do "falar em línguas", torna-se um "sinal" na vida do cristão, para dinamizar este na pregação do evangelho e um viver diferenciado. Como no princípio, no Pentecostes, foi uma novidade, como continua ainda sendo na vida de muitos que o recebem.
O papel das mulheres na Igreja: Ninguém discute a importância das mesmas no ministério terreno de Jesus. As tais tiveram proeminência ao lado das atividades do Mestre, sendo por este respeitadas e valorizadas. Na Igreja Primitiva se mencionam muitas nas atividades apostolares, sendo tratadas com deferência pelos mesmos, mostrando nós a importância que tinham na manutenção no ministério de Paulo e outros. Quanto aos títulos, tem sido ao longo dos séculos motivos de controvérsias. Nos últimos tempos tem havido a flexibilização por parte de muitas Convençoes e Igrejas na aceitaçao e ordenação em todos os níveis, colocando-as em pé de igualdade com os homens.
Para finalização de debates do sim e não, os argumentos são de que:  "por sermos salvos, chamados, agraciados com dons e enviados sem nenhuma distinção por Cristo", não tem como não dar a elas os mesmos direitos, porque Deus "Não faz distinção de pessoas".
Os contras por sua vez não vê nas Escrituras respaldo para tais "nomeações", sendo que (ao contrário), há muitas passagens que corroboram a primazia masculina na ordenação. 
Acredito que pelo sim e não (tais polêmicas não interferindo na nossa salvação), não nos trará benefícios nenhum se alongarmos tais discussões. Se tal Convençao ou Ministério optar pela consagração, ok!, se não ok! Também.
Página 24
Interessante quando o autor do livro se refere aos que ouviram a "Palavra de Deus", sendo que: "Na não aceitação ou crença, mesmo que sendo uma letra naquilo que Deus proferiu a eles, os tais cometeriam pecados. Na criação e recriação do mundo, Deus Filho (O Verbo) foi o propulsor dos decretos de Deus Pai.
Deus ao fazer uso da "palavra" a fez de modo que pudéssemos entender, ou seja: linguagem humana. Mesmo sabendo que as palavras que proferimos são imperfeitas, ao usá-la, transmitem a inteira e verdadeira vontade expressa de Deus. Deuteronomio 18:18-20
Página 25 - Item 4
Meu pensamento: Deus ao dar as tábuas da Lei escrita no idioma hebraico (claro que o mesmo diferenciava no moderno), fez com que este idioma, sacralizasse.





domingo, 13 de março de 2016

Mundo louco

Quem imaginaria que veríamos multidões se locomovendo de um lado para outro fugindo de guerras, fome e misérias?  Pois é isto que estamos a ver milhares de sírios e africanos, atravessando mares, para alcançarem países onde possam realizar seus sonhos.
Como cristãos devemos estar preocupados com povos que migram, pois, por trás destes fatos extraordinários, creio que existe um propósito da parte de Deus nesta últimos momentos do arrebatamento.
A ciência tem se evoluindo como nunca neste século; cometa sendo abordado por invento humano percorrendo espaço sideral, naves navegando o infinito ou passeando em solo marciano, imagens do universo infindo; afora as coisas que acontecem ao nosso redor.
A Igreja precisa se posicionar em Cristo para concretizar os propósitos de Deus para as nações; estamos absortos em coisas que não resultam no alcance de vidas, tampouco em mudanças delas.
Não precisamos "sair" por terras distantes, quando ao nosso lado existem povos não alcançados, que podem ser evangelizados e re-enviados a sua terra natal. Sírios, Libaneses, japoneses, chineses, bolivianos, argentinos, turcos, africanos etc.
Devemos mudar nossa visão evangelizadora, focando-a nas pessoas que por estarem longe de sua terra, cultura e parentes, precisam de amigos e acima de tudo, de Cristo.
Claro! Que havendo recursos fartos, não devemos nos esquecer de nações ainda abertas ao evangelho. Mas seremos cobrados por Deus se só pensarmos "la fora", quando temos muitos dos de "fora" ao nosso lado,que ainda não foram alcançados pela Boas Novas. 
Que sejamos despertados pelos "caos" de fora, pois pode ser um sinal de Deus a sua Igreja, que chegou a hora de ceifar com abundância para o seu Reino.


Seguidores